SJ News - шаблон joomla Авто

 

O ministro Gilmar Mendes pediu que a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, assuma uma postura mais enérgica na defesa do tribunal contra as pressões políticas feitas aos ministros. "É preciso que ela assuma a defesa institucional do tribunal e de todo o Judiciário. E não só de um ou de outro ministro. Essa é a missão dela, como presidente", disse Gilmar, em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, publicada nesta segunda-feira (12/6) pelo jornal Folha de S.Paulo.

Na conversa, o ministro lembrou do que considera “ataques” aos ministros Dias Toffoli, Luiz Fux e Ricardo Lewandowski por causa de decisões judiciais, ou acusações de relações políticas. Toffoli, disse Gilmar, foi atacado por “vazamento” ligado à operação “lava jato”. Lewandowski foi motivo de boneco inflável em protestos convocados em Brasília. Mais recentemente, a revista Veja noticiou que a Procuradoria-Geral da República orientou policiais federais a buscar provas contra o ministro Gilmar, embora ele não seja formalmente investigado.

“E houve silêncio”, reclamou o ministro. Ele falou no contexto das pressões que o Tribunal Superior Eleitoral, do qual é presidente, sofreu para cassar a chapa Dilma-Temer, derrubando Michel Temer da Presidência da República. Mas o TSE entendeu que PSDB, autor da ação que pedia a cassação, apresentou provas durante dois anos, extrapolando o prazo de 15 dias estabelecido pela Constituição Federal para questionamentos relacionados à chapa vencedora das eleições.

"O debate se cingiu à discussão sobre o que foi pedido na inicial", afirmou o ministro. O relator, ministro Herman Benjamin, votou para cassar a chapa com base nas provas produzidas depois do prazo. Gilmar foi contra, acompanhando a divergência vencedora. "Se houver o alargamento dos fundamentos à disposição do relator, estaremos burlando esse prazo."

O principal argumento a favor da absolvição foi a falta de prova de abuso de poder econômico pela chapa Dilma-Temer. As provas teriam relação com as delações feitas por executivos da construtora Odebrecht, mas a maioria dos ministros decidiu que tais depoimentos não poderiam ser levados em conta, pois foram incluídos no processo depois de seu início, o que alteraria a causa de pedir e violaria o direito de defesa da chapa.

Para Gilmar, não se pode banalizar a intervenção judicial e a impugnação de mandatos. Segundo ele, neste julgamento setores da mídia e da política queriam usar o TSE para resolver uma questão política, jogando o país em outra crise. "Queriam que o tribunal decidisse essa questão política, lançando o país em um quadro de incógnita", afirmou.

"Infelizmente cabe a nós muitas vezes decidir de forma contramajoritária e desagradar tanto a chamada vox populi quanto a voz da mídia. Caso contrário, seria melhor extinguir a Justiça. E criar um sistema Big Brother para ouvir o povo e setores da imprensa", concluiu.

Página da Nativus no Facebook

Who's Online

Temos 32 visitantes e Nenhum membro online

Template Settings

Color

For each color, the params below will be given default values
Blue Oranges Red

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Spotlight3

Background Color

Spotlight4

Background Color

Spotlight5

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction