SJ News - шаблон joomla Авто

A quem serve a guerra deles?

'A França pretende destruir o Estado Islâmico? Jogando bombas, ela multiplica os jihadistas. Seus aviões matam civis tão inocentes quanto os do Bataclan.'

Leneide Duarte-Plon, de Paris

 
reprodução

« Por que a guerra ? »
 
A pergunta deu nome ao encontro realizado em Paris, em 2003, com os filósofos Jacques Derrida e Jean Baudrillard para discutir o projeto de invasão do Iraque por Bush, ao qual a França se opôs na ONU. O país foi invadido pela coalizão ocidental, sem a participação da França que votou negativamente no Conselho de Segurança da ONU. Segundo o jornalista Jean-Pierre Séréni (Le Monde Diplomatique), o voto no Conselho de Segurança foi negociado em troca de futuros contratos no Iraque para as companhias petrolíferas ocidentais.
 
« A quem serve a guerra deles » ? Essa pergunta era o título do texto publicado depois dos atentados de 13 de novembro no jornal Libération e assinado por intelectuais. Quebrando uma quase unanimidade no apoio à nova guerra, eles listaram as guerras recentes nas quais a França - segundo exportador mundial de armas - se engajou e constataram o saldo totalmente negativo seja no Afeganistão, na Líbia ou no Mali.
 
Na Síria e no Iraque faz-se uma nova guerra por jazidas petrolíferas e pelo controle de uma região estratégica?  « Os oleodutos do Oriente Médio, o urânio explorado na África em condições monstruosas por Areva, os interesses da Total (empresa de petróleo francesa), não teriam nada a ver com essas guerras seletivas que semeiam a devastação ? » perguntam os sociólogos, historiadores, filósofos e editores que assinam o texto.
 Eles acrescentam : « Na Líbia, na África Central, no Mali, a França não iniciou nenhum processo para ajudar as populações a sair do caos... A França pretende destruir Daech ? Jogando bombas, ela multiplica os djiadistas. Os aviões Rafale matam civis tão inocentes quanto os do Bataclan. No Iraque, alguns desses civis acabarão por ser solidários com os djiadistas : esses bombardeios são verdadeiras bombas-relógio ».
 
O texto assegura que é difícil a França evitar que jovens filhos de imigrantes sejam tentados pelo extremismo. Na sociedade francesa, eles são discriminados na escola, na busca de trabalho, no acesso à moradia e até mesmo na prática religiosa com as leis que proibiram o véu islâmico total no espaço público. Num momento fugaz de lucidez política o primeiro-ministro Manuel Valls havia reconhecido dia 20 de janeiro o « aparheid territorial, social, étnico » vivido pelos jovens franceses originários da imigração. Depois do 13 de novembro, ele não falou mais no apartheid e defendeu a intensificação dos bombardeios ao Estado Islâmico.
 
Em 2003, em várias capitais europeias o povo foi à rua dizer que não queria a guerra. Mesmo assim, o Iraque foi invadido por Bush, Blair e companhia. Eles fizeram a guerra com falsas provas de armas de destruição em massa. O que sobrou da invasão e da ocupação americana foi o caos e a atual realidade do autoproclamado Estado Islâmico.
 
Os intelectuais que pedem o fim das bombas pedem também o fim das leis de exceção, liberticidas, que «contornam e negam as causas do terrorismo ». « A guerra não será feita em nosso nome », termina o texto.
 
Homens-bombas
 
Ao intensificar os bombardeios na Síria e no Iraque, François Hollande pensa evitar novos ataques. Mas será possível declarar guerra ao terrorismo? Como vencer uma nebulosa que se infiltra em Estados-nação com homens-bomba que escapam aos controles mais sofisticados?
 
Em artigo no Le Monde, Gilbert Achcar ressaltou que a prática de execuções extrajudiciais através dos drones faz do Pentágono o campeão dos « serial killers ». Ora, na falta de drones ou mesmo de aviões para bombardear seus inimigos designados, o Estado Islâmico-Daech dispõe de homens e mulheres dispostos a morrer pelo auto-proclamado califado, que ocupa um território do tamanho da Grã-Bretanha e apaga as fronteiras traçadas pelas grandes potências.
 
O filósofo alemão Jürgen Habermas disse em entrevista à imprensa francesa que em seu país a retórica guerreira de Hollande é vista como um jogo que tem motivações na política interna.
 
« A intervenção de tropas americanas e europeias no solo não somente é irrealista como seria de grande imprudência. Não adianta nada tentar se sobrepor aos poderes locais ».
 
Petróleo nacionalizado
 
Desde 1972, as companhias estrangeiras estavam excluídas do setor petrolífero iraquiano, nacionalizado e controlado pelo Estado baassista (ancorado no partido Baas) criado por Saddam Hussein.
 
Quando se sabe que as grandes companhias petrolíferas do Ocidente voltaram a explorar desde 2003 os poços do norte do Iraque, conquistados depois pelo Estado Islâmico, se entende por que os ocidentais bombardeiam maciçamente a região para aniquilar Daech e retomar o tesouro perdido. Mas como nenhum país declara a guerra confessando que o faz para retomar poços de petróleo, o discurso da propaganda guerreira fala de valores, dos bárbaros contra a civilização, dos fanáticos contra a liberté, égalité, fraternité.
 
Na França, a « Marseillaise » e a bandeira francesa deixaram de ser considerados cafonas. Até o massacre de 13 de novembro, esses símbolos nacionais eram monopolizados pelo partido xenófobo ultranacionalista Frente Nacional-FN, de Marine Le Pen. Os atentados terroristas permitiram ao governo Hollande se reapropriar dos símbolos nacionais, considerados pela esquerda conotados demais ao passado vichysta do país.
 
O Iraque vive hoje as consequências do caos de uma guerra civil entre o regime xiita fantoche que os EUA deixaram ao retirar suas tropas e os antigos baassistas que governaram o país com Saddam Hussein. A minoria xiita imposta depois da invasão americana esmagou a maioria sunita, fez prisões arbitrárias, torturou, matou. Os membros do banido partido Baas, (Partido da Ressurreição Árabe e Socialista) partiram para a luta armada e deram origem ao Estado Islâmico-Daech, com a pretensão de recriar o califado.
 
Em magnífico artigo intitulado « Fracasso de uma guerra pelo petróleo » Jean-Pierre Séréni traçou a história do fracasso da guerra de Bush no Iraque. Os interesses por baixo do pano são contados em detalhes. Essa guerra gerou contratos fabulosos para as companhias petrolíferas mas é preciso não esquecer que de 2003 a 2013 ela fez seiscentos mil mortos, um milhão e oitocentos mil exilados e produziu deslocamentos internos de população jamais vistos no país.
 
Alan Greenspan, que dirigiu o Federal Reserve, o banco central americano de 1987 a 2006, escreveu em seu livro Le Temps des turbulences, publicado em Paris em 2007 : « Lamento que não seja politicamente bem visto admitir o que todo mundo sabe : uma das fortes motivações da guerra do Iraque foi o petróleo da região. »   
As consequências das invasões ocidentais estão hoje se espalhando como uma metástase.

Página da Nativus no Facebook

Who's Online

Temos 92 visitantes e Nenhum membro online

Template Settings

Color

For each color, the params below will be given default values
Blue Oranges Red

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Spotlight3

Background Color

Spotlight4

Background Color

Spotlight5

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction