SJ News - шаблон joomla Авто

 

Nesta semana, a população do Juruá foi surpreendida com a notícia de que as olarias e areais da região estariam impedidos de explorar por conta de um requerimento de garimpo de uma cooperativa de Pontes e Lacerda-MT.

A princípio, as primeiras informações não deixavam claro se o garimpo referia-se à exploração de que minério: Ouro? Prata? Ou apenas areia e barro?

Aos poucos, o que antes estava nebuloso, começa a ser clareado, desenhando uma perspectiva nada animadora para a população do Juruá.

De posse do dossiê colhido pela empresária do setor de cerâmica Janaína Terças junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral- DNPM, podemos agora ter a confirmação de que o pedido de exploração trata-se de mineração de ouro. O pedido foi feito no apagar das luzes do dia 14 de dezembro de 2016, e somente a população tomou conhecimento, porque, com esta solicitação houve o impedimento legal de se extrair barro e areia nas áreas solicitadas.

Tratam-se na verdade de cinco diferentes pedidos, todos feitos pela Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Pontes e Lacerda, no norte do Mato Grosso. As áreas solicitadas estão em Cruzeiro do Sul (7.904,98 hectares), duas áreas em Rodrigues Alves (9603,37 ha e 9,170,47 ha) e duas em Mâncio Lima (8.155,23 ha e 7.783,73 hectares). Um total aproximado de 42 mil hectares.

Rios Moa, Japiim e Igarapé Preto ameaçados

As áreas requisitadas para o garimpo abrangem alguns dos cenários mais importantes da região, como parte dos rios Moa e Japiim, por exemplo. Em Cruzeiro do Sul, por exemplo, parte da área requerida está na região da Boca da Alemanha e toda região formadora do Igarapé Preto.

Consequências para os moradores

De imediato, a requisição de lavra dos garimpeiros de Ponte e Lacerda já conseguiu paralisar parcialmente a atividade das olarias e areais instalados na região. Caso venha a ser concedida a lavra, até mesmo para uma terraplanagem nestas áreas será necessária a autorização da cooperativa.

Atividade Predatória

A exploração de ouro é considerada uma das atividades mais predatórias, com danos que se estendem desde o meio ambiente até a questão social, saúde e de segurança pública. Inicia-se com um grande afluxo de pessoas de outras regiões, o que em municípios pequenos e médios tende a gerar conflitos. Nos primeiros anos, os recursos advindos da exploração do ouro, quando encontrado, podem até gerar recursos que justifiquem a exploração. A tendência contudo, é que à medida em que o metal vá rareando (e ele vai ficar escasso, é só uma questão de tempo), as áreas também são gradualmente abandonadas, deixando para trás um cenário de miséria e desolação, quando não, um problema sério de segurança pública.

Foi o que aconteceu no garimpo da Serra do Caldeirão, justamente no município de Ponte e Lacerda-MT. Em maio deste ano o garimpo foi palco de uma ação policial para desocupação da área que vinha sendo utilizado para prostituição e uso de droga.

Dia 23, nesta quinta-feira, deverá ocorrer uma audiência na Câmara dos Vereadores de Cruzeiro do Sul para tratar do tema.

Atualização

O engenheiro de pesca e meio ambiente Carlos Queiroz produziu um mapa com os pedidos de garimpo na região. Além do pedido de mineração de ouro, há outras solicitações anteriores que incluem prata, cassiterita (estanho) e Wolframita (Ferro, Manganês e Tungstênio).

Escrito por Leandro Altheman - Jurua em Tempo

Página da Nativus no Facebook

Who's Online

Temos 34 visitantes e Nenhum membro online

Template Settings

Color

For each color, the params below will be given default values
Blue Oranges Red

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Spotlight3

Background Color

Spotlight4

Background Color

Spotlight5

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction